Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo desastrado, sensível e genial. No segundo, o palhaço como objeto de análise e protesto social, sem jamais perder o senso humano que marcou sua carreira. Apesar de ambos serem os meus favoritos, não vou negar que é Luzes da Ribalta aquele que mais toca fundo no meu coração em relação a sua filmografia. 

LEIA TAMBÉM – “O GAROTO”: ECONOMIA NARRATIVA ENCONTRA SENSIBILIDADE MÁXIMA

Sua mistura poética entre o humor e a tragédia deixa o longa-metragem uma espécie de reflexão sobre o ciclo da vida, algo que em tempos de isolamento e quarentena fazem o filme ganhar uma celebração incondicional à generosidade e ressoar sobre o valor e significado à vida, uma espécie de combustível humano de altruísmo que Chaplin injeta para assimilarmos a existência com outros olhos, seja para vibrar com nosso sucesso e do outro, seja para chorar o nosso fracasso e compartilhá-lo com o outro. Atemporalidade em transmitir as emoções da subjetividade humana, talvez seja a melhor definição para Chaplin e seu cinema e em Luzes da Ribalta temos uma lição para a vida em vários aspectos. 

Calvero (Charles Chaplin) é um palhaço em decadência que luta contra o álcool. Um dia, ao chegar bêbado a seu prédio, ele salva uma jovem bailarina que tentava suicídio. Ela é Thereza (Claire Bloom). Despejada pela dona do prédio, ela passa a viver com Calvero, onde formam uma bela amizade. Aos poucos o palhaço estimular Terry a voltar a dançar, mesmo ela se mostrando insegura. Enquanto aos poucos ela vai alcançando o estrelato, Calvero precisa enfrentar seus demônios interiores para não se afundar na amargura.

Risos, Lágrimas e Memórias – O trabalho íntimo do artista

 

Não deixa de ser curioso saber, que inicialmente, o próprio cineasta sentia um forte desprezo pela chegada definitiva do som ao cinema, já que grande parte da sua obra foi marcada pela simplicidade das imagens e do silêncio. Apesar disso, Chaplin não deixou que este ranço tomasse conta da sua vida e a evolução da sétima arte o permitiu a se adaptar as mudanças e buscar na maturidade, a importância de se reinventar. Se em Tempos Modernos o som finalmente aparecia, em O Grande Ditador o discurso e fala se faziam presentes na figura clássica de Carlitos.

LEIA TAMBÉM – “EM BUSCA DO OURO”: EQUILÍBRIO PRECISO ENTRE HUMOR PASTELÃO E MELANCOLIA

Em Luzes da Ribalta temos o toque de gênio: Chaplin se despe da sua própria figura de criação (sem o seu bigodinho tradicional) para mostrar um retrato nu e cru da sua verdadeira face, sem maquiagem. É sua obra mais intimista, com diversos elementos biográficos – sua desilusão com a arte, as perseguições que sofreu pela censura americana que o acusou de comunista e a relação sofrida com a mãe que guarda muitas semelhanças com o que Terry vive na produção – e que retrata na sua pura perfeição, o cinema da simplicidade humanista, que diz muito sobre as relações humanas.

Tanto que a primeira metade do filme, construída nas conversas entre Calvero e Terry no apartamento dele, funciona como uma catarse terapêutica, onde cada um conforta o outro através de monólogos e lições que materializam os risos, as lágrimas e as memórias da vida – este último muito bem representado nos sonhos de Calvero que ilustram uma espécie de flashback onírico que será crucial para o último ato.

Nota-se que em Luzes, o cineasta nos vende um convite de cinema para adentrar no mundo real da arte onde a determinação, esperança e imaginação são elementos responsáveis em fortalecer o conceito do amor à vida. Nele, o homem por trás do artista abre a cortina, para expor todas as fraquezas, mágoas, perdas, mas que apesar de tudo, consegue ser engraçado pela sua mensagem otimista. É como se Chaplin discursasse sem a máscara, que entre as perdas e desgostos há sempre alegria e esperança, afinal é na dualidade que se formam as nuances da vida.

O réquiem de Luzes

Apesar de não ser o último filme de Chaplin – ele ainda rodaria outros dois filmes na Europa – Luzes da Ribalta é o que podemos chamar de seu canto de cisne da carreira. É um Chaplin com total consciência da proximidade do fim da sua carreira, mais melancólico do que nunca, quase shakesperano (seu texto é filosófico e existencial), mas sem nunca perder a graciosidade em meio à um clima tênue de vida e morte.

 LEIA TAMBÉM: ‘TEMPOS MODERNOS”: CRÍTICA ATEMPORAL E DEFINITIVA AO CAPITALISMO

É nesta intimidade que o diretor alia um belo texto sobre as amarguras da vida; o peso do envelhecer e ser esquecido e o ocaso do artista diante das contradições que a vida lhe proporciona, tudo isso ajuda a compor uma elegante sinfonia melancólica sobre a chegada do crepúsculo. O próprio título do filme não deixa de ser uma simbologia interessantíssima. Se Calvero e Terry foram unidos pelo sentimento de fracasso, a forma que o filme trabalha a inversão dos papéis entre os dois durante o desenvolvimento da trama – inicialmente é Calvero que tira Terry da depressão, para logo em seguida a bailarina trocar de papel com ele e retirá-lo do fundo do poço – indica o olhar de Chaplin sobre o quanto as gerações podem transmitir ensinamentos umas para as outras.

De um lado, é o eterno sentimento de amargura, solidão e abandono de Calvero que lhe dá a maturidade necessária para incentivar Terry a acreditar em si mesma e na força da sua arte. Do outro, a juventude e a gratidão da bailarina para com o palhaço, ajudam a dar suporte emocional para Calvero confrontar seus demônios interiores ao mesmo tempo que o ajuda a ressignificar seu passado e reencontrar o seu poder criativo e a fugaz esperança de que um dia os tempos áureos retornem. Essa troca de bastão, entre gerações dentro da própria arte, ilustra o apagar das luzes para o palhaço e o ascender delas para a bailarina que dança, enquanto as cortinas se fecham, em um desfecho catártico que só um gênio como Chaplin poderia oferecer. 

Saindo do papel e indo para atrás da tela, Chaplin utiliza um jogo de luzes e sombras, que cresce principalmente nas cenas de palco. O caminho ascendente de Terry encontra-se sempre iluminado, enquanto o de Calvero fica envolto na escuridão. O momento em que o palhaço retira a maquiagem após o público deixar a sala, é um dos mais belos e tristes do longa pela sensibilidade com que a câmera de Chaplin, juntamente com sua interpretação, revela a enorme frustração na cara de Calvero. 

LEIA TAMBÉM: “O GRANDE DITADOR” – SÍNTESE DE REGIMES TOTALITÁRIOS TRAZ CHAPLIN VERSÁTIL

Ela só não supera a cena antológica, que marca o encontro dele com Buster Keaton. É fácil observar nesta sequência os estilos diferentes de comédia dos dois atores: Chaplin tem um jeito mais conquistador por organizar o humor no gestual. Já Keaton utiliza o caos e a impotência para provocar o riso. São comediantes perfeitos porque são os opostos nos seus gestos de humor. Este encontro de dois gênios é o maior presente que o cinema poderia conceber. Vale ressaltar também a ótima sintonia entre Chaplin e Claire Boom, que juntos comovem o espectador pela relação empática de ajuda mútua, dando um significado muito mais espiritual do que físico para o amor entre os dois. Se há um ponto negativo na obra é o pouco aprofundamento dos personagens coadjuvantes, juntamente com a fuga de Calvero para Paris que acaba por esticar ainda mais a trama sem necessidade. 

Pode-se dizer que Luzes da Ribalta é o filme testamento de Chaplin na sua carreira, assim como foi A Fraternidade é Vermelha para Krzysztof Kieslowski; A Noite Americana para François Truffaut, Grilhões do Passado para Orson Welles e Cão Branco para Samuel Fuller, obras que pontuaram através da melancolia, a essência de seus diretores. Além de tocante, Luzes possui um olhar sincero do seu realizador, questionando a relevância de sua imagem para o cinema e expondo sua verdadeira identidade. Por trás da história de amor entre dois fracassados, há o amor pela arte, o amor pela comédia e principalmente o amor pelo altruísmo humano. Quando Calvero fala em um certo momento para um personagem “É o vagabundo em mim” dizer que Chaplin foi gênio aqui é pouco, quase nada. É o legado de um maestro absoluto em todas as fases do cinema que participou.

“Enquanto o lábio trêmulo gargalha, dentro do peito o coração soluça” (Padre Antônio Tomás)

‘A Loja da Esquina’: brilhante comédia com ecos melancólicos de uma época

As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...

‘Em Busca do Ouro’: equilíbrio preciso entre humor pastelão e melancolia

Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na...

‘O Garoto’: economia narrativa encontra sensibilidade máxima de Chaplin

Um lugar-comum que vez por outra é repetido por quem trabalha com cinema é que não se dá para realmente dirigir crianças e animais. Em frente à câmera, eles vão mais ou menos fazer o que eles querem. Bem, talvez hoje em dia seja um pouco mais fácil dirigir crianças,...

‘O Anjo Exterminador’: a rebelião da alta sociedade em confinamento

Grandes obras de arte têm o poder de atravessar o tempo mantendo o seu discurso e estilo tão potentes quanto na época em que foram lançadas. Casos assim são exemplos da capacidade do artista em observar o seu tempo, o comportamento da sociedade em que vive, e daí...

‘O Cremador’: clássico registra a ascensão ‘natural’ de regimes totalitários

Exploração absurda da banalidade do mal, “O Cremador” continua a ser um filme tão vital como foi ao ser lançado em 1969. Uma restauração, apresentada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, celebra a abordagem libertária de uma produção que...

‘Estação Central de Cairo’: revolução do cinema egípcio ecoa ainda hoje

Um jornaleiro com deficiência e uma vendedora de mente aberta e sexualmente bem-resolvida não parecem escolhas estranhas para protagonistas em 2019, porém, no Egito dos anos 1950, eles eram tão controversos quanto poderiam ser. No entanto, a decisão de criar uma...