Na sua carreira até agora, o diretor Robert Eggers tem se mostrado um grande explorador do poder de isolamento. Se seu filme anterior, “A Bruxa”, almejava observar como o puritanismo religioso atuava na mente de pessoas longe da civilização, em “O Farol”, seu novo projeto, a agente provocadora é a solidão e a não-conformidade da vida em sociedade. 
 
Os únicos personagens reais são Winslow (Robert Pattinson) e Tom (Willem Dafoe), encarregados de vigiar e manter um farol por quatro semanas. Sozinhos, a relação deles é mediada por abuso e dependência, com o mar impiedoso os lembrando de sua pequenez diante do mundo que o cerca. Aos poucos, Winslow começa a ter visões de uma perigosa sereia, as gaivotas do lugar parecem cada vez mais hostis e a realidade passa a ser muito, muito dúbia. 

Monstros da própria mente 

Ainda que a premissa carregue certos pontos de semelhança com “A Bruxa”, Eggers claramente mudou sua abordagem: se seu predecessor mostrava uma história de tempos passados com uma pegada moderna, o novo longa é revisionista tanto em forma quanto em conteúdo. 
 
Filmado em preto e branco, num formato próximo ao de um quadrado (1:1.19), a produção aparenta ser a sua versão dos filmes de monstro dos anos 1930. Até o fato de que a Universal – estúdio que obteve fama com obras do estilo – estar encarregada do projeto reforça essa conexão. 
 
Por conta do formato, a câmera está sempre perto do campo de ação, mantendo a plateia sufocantemente perto de Winslow e sua degradação mental. A exaustão física e o eventual abuso de álcool acelera um processo que tem um começo indefinido: com flashbacks sugerem que um episódio da vida do personagem teria sido determinante para o início de seus problemas mentais. 

Acolhimento e tirania 

Sua relação com Tom se torna explosiva, uma vez que as demandas emocionais de cada um se tornam parasitárias. Winslow almeja um senso de acolhimento e pertencimento que nunca teve em lugar nenhum; Tom, por outro lado, é um impotente que deseja ser validado exercendo um poder quase tirânico sobre qualquer um que se aproxime. 
 
Em suas brigas, seus estados de espírito se convulsionam e a natureza de sua interação muda minuto a minuto – em certo momento, eles chegam até a parecer amantes. No entanto, a única linguagem que entendem é a da brutalidade, e a ela que recorrem quando as circunstâncias ao redor do farol fazem com que seu círculo de confiança seja quebrado. 
 
“O Farol” leva seu tempo em estabelecer essa dinâmica e isso pode impedir o longa de fisgar a plateia fiel aos filmes de horror. Apesar disso, quando os níveis de insanidade disparam, Eggers choca os espectadores com a verdade mais simples de todas: o lado mais obscuro dos seres humanos é o de dentro. 

‘Delia Derbyshire: The Myths and Legendary Tapes’, o retrato multifacetado de uma viajante do tempo

https://www.youtube.com/watch?v=CM8uBGANASc O tradicional seriado “Doctor Who” completou 57 anos em novembro de 2020. A música-tema - um dos primeiros inteiramente eletrônicos criados para a televisão - entrou para os anais da ficção científica e, ainda que diversos...

‘David Byrne’s American Utopia’, a sequência espiritual de ‘Stop Making Sense’

Em certo ponto de "David Byrne's American Utopia", filme que registra o recente show que Byrne apresentou na Broadway, o músico faz questão de lembrar o público do Teatro Hudson, em Nova York, de que tudo o que eles estão ouvindo é gerado ao vivo. Ele admite não ter...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...

‘Another Round’: Mads Mikkelsen arrasador em comédia ácida

Se você queria ver Mads Mikkelsen bebendo até cair e mostrando um certeiro timing cômico, você acaba de achar seu filme do ano. "Another Round", longa de Thomas Vinterberg que estreou em Toronto e foi exibido no Festival de Londres deste ano, reúne o cineasta com o...

‘Fábulas Ruins’: conto italiano totalmente perdido

Era uma vez, nos subúrbios de Roma, crianças que tentaram sobreviver às férias de verão a despeito de seus pais e responsáveis. Esse é o mote de "Fábulas Ruins", drama italiano que estreou na Berlinale - onde ganhou o prêmio de melhor roteiro - e foi exibido no...

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...