Duas palavras poderiam resumir o que é ‘Era uma vez na América’: glorioso e sublime. A última obra-prima do cineasta italiano Sergio Leone, considerado um gênio da indústria cinematográfica, é grandiosa em sua narrativa construída através de excelentes atuações, trilha sonora inesquecível e cenas memoráveis.

O épico ganguerista do diretor, que levou mais de 12 anos para sua estreia, possui todos os artifícios fílmicos de um clássico que deve ser lembrado com o passar dos anos como um filme que marca na memória e no coração dos amantes da sétima arte, além de servir de inspiração para diversos filmes e séries do gênero. 

Principal nome de um subgênero próprio, o ‘Spaghetti Western’, Sérgio Leone dirigiu obras clássicas como a ‘Trilogia dos Dólares’ – “Por um Punhado de Dólares”, “Três homens em Conflito” e “Era uma vez no Oeste” -, sempre marcados por sequências lentas que falam e arrebatam com imagens, assinatura fílmica do cineasta. Sua última obra, “Era uma vez na América” não é somente um filme sobre gangues: o roteiro usa o gênero como pano de fundo para uma obra que fala sobre amizade, lealdade, violência, traição e de como nossas escolhas tem resultados cruéis e reais.

Baseado no livro ‘The Hoods’, o filme conta a história de David ‘Noodles’ Aaronson (Robert De Niro). Iniciando desde a adolescência com seus quatro amigos cometendo pequenos delitos em um bairro pobre de Nova York, “Era uma Vez na América” retrata como a vida de Noodles muda quando conhece aquele que seria seu melhor amigo por mais de três décadas, Maximilian ‘Max’ Bercovicz (James Woods). Com o passar dos anos, acompanhamos os crimes cometidos pela gangue, o crescimento do grupo que se torna poderoso e rico, o amor entre o protagonista e Deborah (interpretada quando jovem por Jeniffer Conelly e vivida por Elizabeth McGovern na fase adulta), até sua vida adulta e o resultado das escolhas e ações do bando.

Nos primeiros 40 minutos de filme, Leone entrega três eventos grandiosos na vida de Noodles em diferentes fases, confundindo o espectador, mas prendendo a atenção e aguçando a curiosidade para o desenrolar dos acontecimentos. No início, a montagem com o uso de flashbacks não deixa muito claro como vamos acompanhar a história da gangue nova-iorquina, mas o diretor deixa claro que os resultados das ações de seu protagonista tiveram um fim trágico.  A escolha dos personagens na adolescência é cirúrgica: a química entre Noodles e Max é palpável, reforçado com De Niro e Woods quando adultos, estabelecendo uma empatia automática com os rapazes inteligentes, que devem agir do lado de lá da lei durante toda a vida.

IMERSÃO ATRAVÉS DA VIOLÊNCIA

Tudo em “Era uma vez na América” é milimetricamente pensando e executado com maestria, desde a direção cuidadosa de Leone à montagem, direção de arte e fotografia, casando com a belíssima trilha sonora do mestre Ennio Morricone. Ouso dizer que certas cenas têm tanto impacto emocional graças as melodias pesadas e melancólicas do compositor, além da aula de mise-em-scene do cineasta.

Aqui, o roteiro não pinta seus protagonistas como anti-heróis, não há vestígios de vitimismo nos personagens; eles só agem de acordo com o que acreditam ser necessário a ser feito. Matam, roubam e estupram sem nunca se justificar. Cenas de nudez e violência são filmadas sem pudor e nunca são apelativas, existindo com o único objetivo de nos fazer imergir no mundo de Noodles e Max.

O romance de Noodles e Deborah desde a infância é o que fornece ao protagonista um lado mais humano e sentimental. A cena do jantar e sua frase icônica (“ninguém vai te amar do jeito que eu te amei”) toca o coração dos mais frios para o romance. Em momentos de pura genialidade, Leone brinca com nossos sentimentos ao usar uma cena tocante e emocional, antes de um acontecimento brutal, como o fatídico estupro ou mortes a acontecer.

“Era uma vez na América” tem uma estrutura narrativa complexa, aberta para múltiplas hipóteses e interpretações, principalmente o inesquecível ato final. Com quase quatro horas de filme, é preciso manter a atenção para os acontecimentos que vão fazer todo sentido em seu desfecho agridoce. Ao final, você entende os motivos do diretor ser considerado um gênio e percebe o quão sublime é sua última obra.

‘O Cremador’: clássico registra a ascensão ‘natural’ de regimes totalitários

Exploração absurda da banalidade do mal, “O Cremador” continua a ser um filme tão vital como foi ao ser lançado em 1969. Uma restauração, apresentada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, celebra a abordagem libertária de uma produção que...

‘Estação Central de Cairo’: revolução do cinema egípcio ecoa ainda hoje

Um jornaleiro com deficiência e uma vendedora de mente aberta e sexualmente bem-resolvida não parecem escolhas estranhas para protagonistas em 2019, porém, no Egito dos anos 1950, eles eram tão controversos quanto poderiam ser. No entanto, a decisão de criar uma...

40 Anos de ‘Manhattan’: clássico de Woody Allen resiste à era #MeToo?

Talvez a pergunta mais difícil ao terminar de assistir algum filme com, pelo menos, 30 anos de existência é se ele envelheceu bem ou mal. Qualquer obra de arte é realizada em um contexto cultural específico, cujas particularidades podem sobreviver ou não ao tempo....

‘Era uma vez na América’: obra-prima definitiva de Sergio Leone

Duas palavras poderiam resumir o que é ‘Era uma vez na América’: glorioso e sublime. A última obra-prima do cineasta italiano Sergio Leone, considerado um gênio da indústria cinematográfica, é grandiosa em sua narrativa construída através de excelentes atuações,...

Por que ‘Aconteceu Naquela Noite’ tornou-se base das comédias românticas no cinema?

Duas pessoas opostas, de personalidades fortes se conhecem durante um evento atípico. Há uma tensão raivosa entre eles quase que de imediato. Por coincidência do destino, são obrigados a conviver por alguns dias, meses ou até anos. Durante um período de infortúnio,...

‘O Ano do Dragão’: ótimo filme policial alucinante e megalomaníaco

Os anos 70 e 80 foram de ampla liberdade criativa para os cineastas que viveram naquele período e marcaram o ciclo da chamada Nova Hollywood. Dentro da sala de cinema, o diretor fazia o que bem queria e isso era perceptível nas cenas ousadas ou fora dos...

‘Vidas Secas’ (1963): obra máxima da filmografia de Nelson Pereira dos Santos

Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, baseado na seminal obra homônima de Graciliano Ramos, é dos filmes mais tristes do cinema. Uma tristeza particular, brasileira, nordestina. É sobre a face mais cruel da nossa desigualdade social, um dos elementos...

Clássicos do Cinema Brasileiro: ‘Ganga Bruta’, de Humberto Mauro (1933)

Os problemas técnicos de filmes antigos, principalmente os brasileiros, muitas vezes nos tiram do clima, dificultam o entendimento das ideias do filme, principalmente quando ainda estamos iniciando no rumo da cinefilia, e o amadurecimento do olhar para...

Clássicos do Cinema Nacional: ‘Limite’, de Mário Peixoto (1931)

A primeira vez que vi Sem Essa, Aranha, de Rogério Sganzerla, fiquei com uma impressão muito ruim. O filme parecia tosco, mal feito, diferente de tudo que já tinha visto, e não de um jeito bom. Fui assistir empolgado, pois já havia lido bastante a...

‘Capacete de Aço’ (1951): o significado do ser humano dentro de um filme de guerra

A década de 50 é considerada, por muitos, a época de ouro do cinema: Tínhamos Hitchcock, Kurosawa/Ozu e Ingmar Bergman despontando na Europa; Marilyn Monroe, Audrey Hepburn e Bridget Bardot como as novas musas cinematográficas; o cinema musical se...