Muitos cineastas mais antigos, formados pela tela grande das salas de cinema, veem com maus olhos a ascensão da Netflix. Para esses nomes, que incluem até Steven Spielberg, defensor eloquente da tecnologia como forma de ampliar a experiência cinematográfica (e, ironicamente, um dos primeiros diretores célebres a descobrir o cinema através da televisão), o cinema limitado à modesta (mas nem sempre) TV da sala nega uma característica fundamental dessa arte: a experiência coletiva, quase religiosa, de se vivenciar uma obra audiovisual no espaço amplo e imersivo de uma sala escura. 

Esse é um lado da querela, mas não é o único, e certamente não o único para Spielberg: há ainda o modelo de negócios da empresa americana, o famigerado algoritmo, as suas investidas predatórias sobre outros mercados, os índices não divulgados e não auditados de audiência, etc. São tópicos bastante controversos, e a Netflix terá de responder por eles no futuro. Mas queria usar esse texto pra lembrar que há, também, um outro tipo de cinema, mais modesto na escala, mais voltado, justamente, à intimidade de uma televisão na sala ou no quarto, e que pode ter um abrigo precioso na plataforma. 

São filmes sem correria, sobressaltos ou sequências épicas, com um ritmo tranquilo, mais parecido com a vida de todos nós. Filmes, também, em que a principal atração são os diálogos bem escritos, e o prazer de assisti-los na voz de atores e atrizes inspirados. O grande Woody Allen costumava ser um mestre nesse tipo de material, e Richard Linklater fez seus melhores trabalhos pondo o elenco apenas pra bater papo, como acontece em SlackerJovens, Loucos e Rebeldes e Antes do Amanhecer. É um tipo de cinema que se ajusta muito bem ao streaming pela TV, e que ganhou um exemplar na Netflix que é um pequeno tesouro: a série Faz de Conta que NY é uma Cidade, do veterano Martin Scorsese

DOROTHY PARKER CONTEMPORÂNEA

Toda essa introdução foi pra falar sobre o enorme prazer de acompanhar, na tela, a conversa inteligente e estimulante entre Scorsese e a mulher que é o tema da série, a escritora nova-iorquina Fran Lebowitz. Um formato tão simples, mas que que funciona às maravilhas: Scorsese coloca um assunto na mesa, e Lebowitz levanta voo em suas digressões sobre literatura, dinheiro, festas, viagens e as demais coisas sob o sol. O fio condutor dessas reflexões é o amor, do diretor e da autora, pela cidade de Nova York, e também por algo mais: a já declinante arte de sair à rua, de bater perna, de encontrar os amigos e a fauna sortida das cidades, de frequentar bares e restaurantes, ir a concertos, visitar livrarias e antiquários; olhar, enfim, a paisagem urbana com afeto e humanidade. À luz da pandemia da Covid-19, que deitou sua sombra pouco depois do fim das filmagens, e que tornou o ato de sair à rua um perigo, o que era para ser uma ode a uma grande cidade ganhou a aparência de uma elegia. 

São sete episódios curtos, de 25 a 30 minutos, onde Fran fala sobre um tema geral (cultura, o trânsito), e seus comentários são intercalados por imagens de NY e de figuras emblemáticas para a geração da escritora e de Scorsese. Fran fala, e fala – e tudo o que essa senhora mordaz tem a dizer sobre qualquer assunto vale cada segundo investido. 

Uma total desconhecida fora dos EUA, Fran Lebowitz surgiu para cenário de Nova York aos 21 anos, quando começou a escrever para jornais e revistas e se ligou a nomes célebres daquela cidade, como o jazzista Charles Mingus, o artista plástico Andy Warhol e o fotógrafo Robert Mapplethorpe. Independente, culta, afiada e abertamente gay, Fran é uma é herdeira da melhor tradição de sofisticação e wit da cidade que elegeu como lar – o jornal New York Times a definiu como uma Dorothy Parker contemporânea –, mas sua produção esparsa – duas coletâneas de ensaios e um livro infantil, culpa de um bloqueio criativo que a paralisa há três décadas, impedindo a conclusão um prometido romance – a fez ser muito mais reconhecida por suas aparições na televisão, como entrevistada regular em talk shows, e como conversadora profissional, paga para realizar animados encontros com admiradores, que viram um bate-bola de observações ferinas sobre qualquer tema. 

CINEMA ÍNTIMO E CONVERSACIONAL

Tive a sorte de conhecer e me interessar por Lebowitz antes da série da Netflix – há vários anos, por um desses acasos felizes, a TV a cabo da minha casa estava com o sinal aberto para os canais de filmes, e, ao me deparar com outro documentário sobre ela (Public Speaking, 2010, também do amigo e fã Scorsese), não consegui fazer qualquer outra coisa até terminar a obra, o que me custou uma aula na faculdade. Ficam aqui as desculpas ao professor ou professora da ocasião. Aliás, esse primeiro filme ficou um bom tempo nas mãos de Wes Anderson (Os Excêntricos TenenbaumsMoonrise KingdomO Grande Hotel Budapeste), outro admirador de Fran, mas Scorsese levou o páreo. 

Faz de Conta já está na praça desde janeiro desse ano, e não vou negar que possivelmente terá sido a experiência cinematográfica mais prazerosa (não falei a melhor, embora esteja bem perto) com a qual vou me deparar esse ano. Tudo isso soa muito benigno – é fácil expressar o amor à cidade sendo uma pessoa com uma vida confortável, longe dos problemas de quem sofre para pagar as contas no fim do mês, quando não está acossada pela miséria e a violência tão tragicamente corriqueiras que nos cercam –, mas o senso de amor à comunidade, a expressão de admiração mútua entre os dois protagonistas e a absoluta devoção a uma boa prosa são o que ficam de Faz de Conta que NY é uma Cidade, e que fazem a delícia desse tipo de cinema íntimo e, pra usar uma palavra pomposa, conversacional. Ou, já que estamos no embalo, e pra fazer uma analogia com a música clássica, um cinema que não é como a sinfonia, com sua orquestra densa e seus sons vastos, monumentais, mas mais como a música de câmara: uma conversa inteligente e despretensiosa, entre poucos e maravilhosos músicos. Espero que mais trabalhos assim cheguem à Netflix, e encontrem público por lá.

Em ‘Veneza’, Miguel Falabella defende a sensibilidade contra a barbárie

Resistência e a defesa da importância de se sonhar. Estes dois sentimentos dominaram a coletiva de imprensa online do filme “Veneza” com participação do Cine Set. Transmitida via YouTube, o evento contou com as presenças do diretor/roteirista do filme Miguel Falabella...

‘A Voz Suprema do Blues’ e o legado do racismo na indústria musical

Um dos indicados ao Oscar 2021, A Voz Suprema do Blues, pode não estar entre os mais prestigiados da premiação (são só duas indicações nas categorias principais – Melhor Ator para Chadwick Boseman, em sua última e sublime aparição nas telas, e Atriz para Viola Davis,...

Oscar 2021: A Harmonia da Desigualdade em ‘Opera’

Intrigados. É assim que podemos descrever nosso sentimento ao terminar os oito minutos e meio do curta de animação Opera, indicado ao Oscar deste ano nessa categoria. Apostamos fortemente que este é superior aos seus concorrentes e com um alto índice de levar a...

Cine Set no Festival de Berlim 2021: a história do cinema brasileiro no evento

Ver essa foto no Instagram   Uma publicação compartilhada por Cine Set (@cineset) Se tem um evento que gosta do cinema brasileiro, este é a Berlinale. A primeira vez que o Brasil participou da Berlinale em 1953 com dois filmes na mostra competitiva de...

Cine Set no Festival de Berlim 2021: conheça os detalhes do evento alemão

Direto do sofá da minha casa, eu, Lucas Pistilli, correspondente internacional do Cine Set aqui na Europa, irei cobrir o Festival de Berlim 2021. A Berlinale é um dos maiores eventos cinematográficos do mundo e o primeiro da grande tríade - composta por ele, Cannes e...

Quando o mau jornalismo presta desserviço aos artistas e à cultura do Amazonas

Faz duas semanas da morte precoce de Zezinho Corrêa, uma das 10 mil vítimas fatais na capital mundial da COVID-19. Naquele momento, a grandeza de um dos maiores artistas surgidos por estas bandas uniu todos os amazonenses em um luto coletivo e cessou por breves...

Asfixiada, a distópica Manaus sucumbiu; qual realidade será construída agora?

Para retornar a falar de cinema aqui no Cine Set, antes preciso falar de Manaus. O Cine Set sempre teve orgulho de ser um site de cinema independente produzido aqui na capital amazonense e, diante da maior tragédia da história da cidade, não dá para seguir adiante sem...

Os 10 Maiores Ataques do Governo Bolsonaro contra o Cinema do Brasil em 2020

Segundo ano de Jair Bolsonaro na presidência da República e segundo ano da lista dos maiores erros cometidos pela gestão dele em relação ao audiovisual brasileiro aqui no Cine Set (leia a lista de 2019).   Em um 2020 marcado pela tragédia da morte de mais de 190 mil...

Sean Connery, o astro mais perigoso do cinema

O cinema perdeu Sean Connery. No último 31 de outubro de 2020, foi anunciada pela família a morte do ator, que se foi tranquilamente durante o sono. Até o momento de escrita deste texto, a causa da morte não foi informada. Micheline Roquebrune, a viúva do astro,...

Olhar de Cinema e o ano que vivemos em quarentena

No Brasil de 2020, a leitura de mundo e a leitura de obras audiovisuais por parte de quem as consome encontra uma forte tensão: o país descobriu, não tão de repente, que a realidade objetiva só é palpável na medida em que é mensurada por nossos sentidos, sejam os...