Quem disse que o Amazonas não produz animações?

“A Última Balada de El Manchez” estreou neste fim de semana no YouTube provando que é possível sim fazer animações de qualidade no Estado. A produção dirigida por Leonardo Mancini participou do Anima Mundi 2017. ocorrido nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, dentro da Mostra Olho Neles!, voltada para animadores em ascensão no Brasil inteiro. O filme está disponível nas versões em português e em inglês.

O curta-metragem de pouco menos de 18 minutos traz a história sobre como o maior mariachi de todos os tempos teve que vender a alma para conseguir talento e fama, e sua inevitável queda e busca por redenção. Para realizar o curta, Mancini contou com o apoio de Bruno Fabián e Abrão Figueira nas animações, enquanto Edgar César ficou no background. Dublador de grandes personagens como ThunderCats, Silverhawks, Mumm-Ra e Monstro Estelar, Silvio Navas faz a voz do El Manchez. 

Para quem não conhece, a carreira de Leonardo Mancini no audiovisual local é longa: ator, produtor e roteirista, ele já participou de diversos curtas premiados como, por exemplo, “Morto-Vivo”, “Et Set Era”, “A Doce Dama”, “A Lista” e “Germes”. Nem mesmo na animação, ‘Mancha’ (apelido pelo qual é conhecido no cinema amazonense) é um neófito: a primeira indicação ao Amazonas Festival foi com uma produção do gênero, “I Loser You”.

ASSISTA ABAIXO ‘A ÚLTIMA BALADA DE EL MANCHEZ’:

‘A Última Balada de El Manchez’: sinal aberto para a animação no Amazonas

Certos filmes são mais importantes para história do cinema do que necessariamente bons como um todo. “O Cantor de Jazz” (1927), por exemplo, passa longe de ser um musical memorável, mas, está eternizado como a primeira produção falada da história. Já “Carlota...

‘Noite Escura da Alma’: terror amazonense com ares de parábola bíblica

Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como...

‘La Arrancada’: uma boa largada de Aldemar Matias em longas-metragens

Aldemar Matias é um dos principais expoentes do Amazonas no cinema de não-ficção hoje. Seu filmes têm em comum um olhar atento e curioso, mas que respeita a noção de distanciamento para extrair o que de melhor surge das histórias que pretende contar. É...

‘A Goteira’: show de Isabela Catão em filme de altos e baixos

Recentemente, Diego Bauer, integrante da Artrupe Produções e crítico do Cine Set, fez uma lista de cinco atores amazonenses que o cinema local deveria olhar com mais atenção. Isabela Catão estava entre eles e, se alguém por algum caso, torceu o nariz pela...

‘Vila Conde’: retrato simbólico do jogo de poder brasileiro

Por trás do discurso bonito e das aparências, "pessoas de bem" são capazes de fazer monstruosidades. É o que mostra o Brasil atual assim como "Vila Conde", novo curta-metragem de Rômulo Sousa. O jovem diretor local realiza o primeiro filme na ficção após o...

‘Zana: O Filho da Mata’: curta respeita público infantil em celebração ao universo amazônico

"Zana - O Filho da Mata" é o segundo curta-metragem de ficção da carreira de Augustto Gomes na direção. Selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, trata-se de uma produção capaz de acreditar na inteligência do público infantil e visualmente acima da...

‘A Terra Negra dos Kawa’: proposta intrigante perde força em filme lacunar

Formatos tradicionais, com aqueles três manjados atos bem fechados e personagens de personalidade e arcos dramáticos claramente demarcados, não são garantia de geração de identificação entre público e um filme. Quando os filmes partem para propostas menos...

‘BR-319: Bem-Vindo à Realidade’: a estupidez e a cara de pau são Pop

Obras como "BR-319: Bem-Vindo à Realidade" são um alento em meio ao debate político e social cada vez mais pobre no Brasil atualmente. O documentário dirigido por Gustavo Faleiros, selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, desperta atenção para as...

‘A Última no Tambor’: curta mostra como fazer suspense policial com qualidade

Você pode reclamar de qualquer coisa nos curtas de Ricardo Manjaro, menos que falta precisão técnica nos seus trabalhos. A Última no Tambor sua estreia como diretor, já mostra suas obsessões estéticas, algo que ficaria ainda mais perceptível nos seus...

‘Sons do Igarapé’: bonito curta entre o poético e o natural das relações amorosas

Os minutos iniciais de Sons do Igarapé já mostram a tônica do primeiro curta-metragem do ator Victor Kaleb: o zelo pelas imagens e enquadramentos. Isso é visível de ser observado, tanto no cuidado estético visual que é reforçado pela bela fotografia de...