Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais contundente, pois, neste capítulo, a prioridade são as emoções e sensações ressaltadas.

No primeiro momento, há a percepção de que acompanhamos dois grupos distintos: as mulheres que cozinham e organizam uma casa para receber um evento e duas amigas que fogem de casa no meio da noite. Porém, conforme a narrativa avança, compreendemos que “Lovers Rock” se dedica a inserir pequenos dramas em uma Blue Party.

O episódio completo é uma homenagem a essas festas que a comunidade jamaicana de Londres celebrava nos anos 80, que consistia em uma discoteca móvel dentro de uma casa. Quem adquirisse ingresso, tinha direito a música, cerveja e comida. A câmera de Shabier Kirchner dessa vez mergulha de cabeça em todo o processo da manifestação cultural. Vemos desde o preparo da comida – regada a muito curry como no “Mangrove” – à energia caótica do baile. Para quem está com saudade de uma boa festa, assistir os quase 60 minutos de “Lovers Rock” é matar a saudade e, ao mesmo tempo, deixá-la mais viva dentro de si.

Os figurinos altamente identitários e as cores selecionadas por Jacqueline Durran (“Adoráveis Mulheres”, “Macbeth”) alimentam essa sensação, já que saltam aos olhos. Em certo momento, a câmera roda no meio do salão e nos deixa atordoados no meio de tantas cores, corpos e movimentos. Sem perceber estamos entrando no ponto alto da narrativa, quando “Silly Games”, de Janet Kay, toma conta do baile. A coreografia sincronizada, as cores vivas e a batida dançante parecem levar os personagens a uma espécie de transe. Se até o momento nenhum dos agentes da narrativa parece ter uma história forte o suficiente para criar laços significativos conosco, é nesta hora que fica perceptível que o maior elo formado é com a música de Dennis Bovell.

GATILHOS PANDÊMICOS

“Silly Games” é a música cantada pelas mulheres cozinhando no início da narrativa, sendo o fio condutor da irregular trama e isto prova-se na catarse que sua presença toma quando entoada tanto ao som do DJ quanto a capella. A sequência, que dura quase 10 minutos, é uma das mais bonitas do ano. Todos os corpos que a câmera foca parecem totalmente entregues e absortos a sua sonoridade. É como se ela fosse o hino que todos conhecem e esperam que toque para que, por alguns instantes, esqueçam totalmente o mundo que há lá fora. No caso de “Lovers Rock”, um lugar violento para mulheres, seja envolvendo questões raciais ou apenas as de gênero.

Em relação aos personagens, mesmo em meio a pequenas tramas como a da aniversariante (Ellis George), que roda o salão com seu vestido vermelho, e do ardiloso Bammy (Daniel Francis-Swaby) em busca de uma vítima feminina para sua teia, o grande destaque dado na narrativa é ao casal Martha (Amarah-Jae St. Aubyn) e Franklyn (Micheal Ward). Porém Martha brilha muito melhor sozinha do que com ele. Todas as situações que a envolvem dão espaço para dramas específicos com potencial para alimentar narrativas inteiras, seja quando tem um confronto com o primo ou quando anota o número da cabine telefônica. É por a acompanharmos que esperamos que a trama se desenrole, mas isso não acontece e as situações se tornam eventos isolados passíveis de ocorrer numa madrugada regada a álcool e, em alguns casos, más intenções.

Esses fatores tornam “Lovers Rock” sensorial, tátil e, em certo ponto, sensual. Os embalos da música jamaicana, a dança e o próprio cenário da festa são gatilhos para quem tem obedecido às medidas de segurança e saúde e se mantido distante desses eventos. Percebi, contudo, que sou totalmente contrária a esses encontros. Para mim, quem mais ganhou foi Patti (Shaniqua Okwok), que se ligou na energia caótica que a festa se transformaria e foi embora antes da pista de dança virar palco da música de Janet Kay, mas tenho certeza que a maioria de vocês não compartilha desse sentimento.

E assim ficamos atentos a que outras sensações McQueen despertará em nós.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...