Após emplacar seus dois últimos projetos – “Aquela Estrada” e “Formas de Voltar Para Casa” – em festivais nacionais e internacionais, Rafael Ramos se prepara para gravar “Manaus Hot City”. Ambientada no centro da cidade, a produção começa a ser rodada em setembro e é o primeiro projeto totalmente independente do diretor, ou seja, sem a participação da Artrupe Produções Artísticas.

A ideia para o curta surgiu bem longe da capital amazonense. “Certa vez recebi uns peixes de Manaus e convidei um amigo para almoçar comigo na temporada que passei em São Paulo. Olhando a situação, pensei: ‘será que isso daria um bom roteiro?”, disse.

“Manaus Hot City” acompanha dois amigos que resolvem tirar um dia para almoçar juntos e conversar. Entre as discussões, conceitos sobre a cidade, o calor e saudade se destacam. “A premissa é bem simples e procura abordar como essas temáticas se aplicam a nossa região e ecoam nas relações locais”, afirmou.

Inspirações maranhenses

Diferente de suas produções anteriores, Rafael Ramos procurou escrever muitos diálogos a fim de “passar a sensação de que os personagens tivessem prazer em falar e em ouvir o outro”, contou.

A inquietação para estruturar o roteiro dessa forma veio de um ensaio do filósofo alemão Christoph Turcke, entretanto, “as grandes referências para os diálogos foram poemas, especialmente os de Ferreira Gullar e Matilde Campilho por abordarem a relação com espaços públicos e a referência de pertencimento ao lugar”.

Entre os poemas que o inspiraram estão os presentes no livro “Poema Sujo”, de Gullar, especialmente, sobre a relação do autor com o Maranhão e a saudade que sente da terra natal durante o exílio. Não à toa o personagem principal ser um poeta à procura de inspiração para escrever sobre o calor de Manaus.

Sem ecos de filmes anteriores

Rafael Ramos não vê muitas correlações com seus projetos anteriores, em cada um deles a concepção e o processo de criação foram feitos de maneiras distintas. “Todos os meus projetos são muito diferentes entre si. Talvez o que os conecte seja a intensa busca por experimentar coisas novas a cada produção”, afirmou.

Para “Manaus Hot City”, Rafael Ramos procurou rostos novos para compor sua equipe de produção. O elenco terá Maria do Rio e Frank Kitzinger nos papéis principais, enquanto Francisco Ricardo será responsável pela direção de arte e e Taiara Guedes do som direto. “A ideia de trabalhar com pessoas com pouca experiência é trazer novos ares ao set e experimentar, vejo isso como uma potência no projeto”.

 “Manaus Hot City” é uma produção totalmente independente, sem financiamento via edital ou via produtora. A partir do dia 22 de julho, uma campanha no Catarse será lançada para captar recursos para o projeto.

O lançamento do filme está previsto para 2020.

CONFIRA A FILMOGRAFIA DE RAFAEL RAMOS:

‘O Céu dos Índios’: afeto marca fascinante viagem por culturas indígenas

Em sua produção como diretora – que, até então, compunha-se dos curtas Strip Solidão (2013) e Dom Kimura (2016) –, Flávia Abtibol já vinha mostrando uma disposição especial para aproximar-se do mundo de seus personagens: é a empatia a qualidade que redime a narrativa...

‘Travessia’: dor e poesia na dura vida de imigrantes do Haiti em Manaus

Após uma carreira bem-sucedida em festivais com o documentário performático “Maria”, a diretora Elen Linth apostou num projeto de temática igualmente relevante, mas com uma pegada mais diferente. Trata-se de “Travessia”, longa-metragem de não-ficção dirigido em...

‘Príncipe da Encantaria’: simpático curta expande lenda do boto cor de rosa

O Amazonas é repleto de lendas folclóricas, oferecendo um potencial inestimável para produções culturais. Aproveitando essa bagagem regional que Izis Negreiros ("Santo Casamenteiro") escreveu e dirigiu “Príncipe da Encantaria”. A produção é inspirada em uma das lendas...

‘A Última Balada de El Manchez’: sinal aberto para a animação no Amazonas

Certos filmes são mais importantes para história do cinema do que necessariamente bons como um todo. “O Cantor de Jazz” (1927), por exemplo, passa longe de ser um musical memorável, mas, está eternizado como a primeira produção falada da história. Já “Carlota...

‘Noite Escura da Alma’: terror amazonense com ares de parábola bíblica

Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como...

‘La Arrancada’: uma boa largada de Aldemar Matias em longas-metragens

Aldemar Matias é um dos principais expoentes do Amazonas no cinema de não-ficção hoje. Seu filmes têm em comum um olhar atento e curioso, mas que respeita a noção de distanciamento para extrair o que de melhor surge das histórias que pretende contar. É...

‘A Goteira’: show de Isabela Catão em filme de altos e baixos

Recentemente, Diego Bauer, integrante da Artrupe Produções e crítico do Cine Set, fez uma lista de cinco atores amazonenses que o cinema local deveria olhar com mais atenção. Isabela Catão estava entre eles e, se alguém por algum caso, torceu o nariz pela...

‘Vila Conde’: retrato simbólico do jogo de poder brasileiro

Por trás do discurso bonito e das aparências, "pessoas de bem" são capazes de fazer monstruosidades. É o que mostra o Brasil atual assim como "Vila Conde", novo curta-metragem de Rômulo Sousa. O jovem diretor local realiza o primeiro filme na ficção após o...

‘Zana: O Filho da Mata’: curta respeita público infantil em celebração ao universo amazônico

"Zana - O Filho da Mata" é o segundo curta-metragem de ficção da carreira de Augustto Gomes na direção. Selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, trata-se de uma produção capaz de acreditar na inteligência do público infantil e visualmente acima da...

‘A Terra Negra dos Kawa’: proposta intrigante perde força em filme lacunar

Formatos tradicionais, com aqueles três manjados atos bem fechados e personagens de personalidade e arcos dramáticos claramente demarcados, não são garantia de geração de identificação entre público e um filme. Quando os filmes partem para propostas menos...