Após emplacar seus dois últimos projetos – “Aquela Estrada” e “Formas de Voltar Para Casa” – em festivais nacionais e internacionais, Rafael Ramos se prepara para gravar “Manaus Hot City”. Ambientada no centro da cidade, a produção começa a ser rodada em setembro e é o primeiro projeto totalmente independente do diretor, ou seja, sem a participação da Artrupe Produções Artísticas.

A ideia para o curta surgiu bem longe da capital amazonense. “Certa vez recebi uns peixes de Manaus e convidei um amigo para almoçar comigo na temporada que passei em São Paulo. Olhando a situação, pensei: ‘será que isso daria um bom roteiro?”, disse.

“Manaus Hot City” acompanha dois amigos que resolvem tirar um dia para almoçar juntos e conversar. Entre as discussões, conceitos sobre a cidade, o calor e saudade se destacam. “A premissa é bem simples e procura abordar como essas temáticas se aplicam a nossa região e ecoam nas relações locais”, afirmou.

Inspirações maranhenses

Diferente de suas produções anteriores, Rafael Ramos procurou escrever muitos diálogos a fim de “passar a sensação de que os personagens tivessem prazer em falar e em ouvir o outro”, contou.

A inquietação para estruturar o roteiro dessa forma veio de um ensaio do filósofo alemão Christoph Turcke, entretanto, “as grandes referências para os diálogos foram poemas, especialmente os de Ferreira Gullar e Matilde Campilho por abordarem a relação com espaços públicos e a referência de pertencimento ao lugar”.

Entre os poemas que o inspiraram estão os presentes no livro “Poema Sujo”, de Gullar, especialmente, sobre a relação do autor com o Maranhão e a saudade que sente da terra natal durante o exílio. Não à toa o personagem principal ser um poeta à procura de inspiração para escrever sobre o calor de Manaus.

Sem ecos de filmes anteriores

Rafael Ramos não vê muitas correlações com seus projetos anteriores, em cada um deles a concepção e o processo de criação foram feitos de maneiras distintas. “Todos os meus projetos são muito diferentes entre si. Talvez o que os conecte seja a intensa busca por experimentar coisas novas a cada produção”, afirmou.

Para “Manaus Hot City”, Rafael Ramos procurou rostos novos para compor sua equipe de produção. O elenco terá Maria do Rio e Frank Kitzinger nos papéis principais, enquanto Francisco Ricardo será responsável pela direção de arte e e Taiara Guedes do som direto. “A ideia de trabalhar com pessoas com pouca experiência é trazer novos ares ao set e experimentar, vejo isso como uma potência no projeto”.

 “Manaus Hot City” é uma produção totalmente independente, sem financiamento via edital ou via produtora. A partir do dia 22 de julho, uma campanha no Catarse será lançada para captar recursos para o projeto.

O lançamento do filme está previsto para 2020.

CONFIRA A FILMOGRAFIA DE RAFAEL RAMOS:

‘Noite Escura da Alma’: terror amazonense com ares de parábola bíblica

Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como...

‘La Arrancada’: uma boa largada de Aldemar Matias em longas-metragens

Aldemar Matias é um dos principais expoentes do Amazonas no cinema de não-ficção hoje. Seu filmes têm em comum um olhar atento e curioso, mas que respeita a noção de distanciamento para extrair o que de melhor surge das histórias que pretende contar. É...

‘A Goteira’: show de Isabela Catão em filme de altos e baixos

Recentemente, Diego Bauer, integrante da Artrupe Produções e crítico do Cine Set, fez uma lista de cinco atores amazonenses que o cinema local deveria olhar com mais atenção. Isabela Catão estava entre eles e, se alguém por algum caso, torceu o nariz pela...

‘Vila Conde’: retrato simbólico do jogo de poder brasileiro

Por trás do discurso bonito e das aparências, "pessoas de bem" são capazes de fazer monstruosidades. É o que mostra o Brasil atual assim como "Vila Conde", novo curta-metragem de Rômulo Sousa. O jovem diretor local realiza o primeiro filme na ficção após o...

‘Zana: O Filho da Mata’: curta respeita público infantil em celebração ao universo amazônico

"Zana - O Filho da Mata" é o segundo curta-metragem de ficção da carreira de Augustto Gomes na direção. Selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, trata-se de uma produção capaz de acreditar na inteligência do público infantil e visualmente acima da...

‘A Terra Negra dos Kawa’: proposta intrigante perde força em filme lacunar

Formatos tradicionais, com aqueles três manjados atos bem fechados e personagens de personalidade e arcos dramáticos claramente demarcados, não são garantia de geração de identificação entre público e um filme. Quando os filmes partem para propostas menos...

‘BR-319: Bem-Vindo à Realidade’: a estupidez e a cara de pau são Pop

Obras como "BR-319: Bem-Vindo à Realidade" são um alento em meio ao debate político e social cada vez mais pobre no Brasil atualmente. O documentário dirigido por Gustavo Faleiros, selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, desperta atenção para as...

‘A Última no Tambor’: curta mostra como fazer suspense policial com qualidade

Você pode reclamar de qualquer coisa nos curtas de Ricardo Manjaro, menos que falta precisão técnica nos seus trabalhos. A Última no Tambor sua estreia como diretor, já mostra suas obsessões estéticas, algo que ficaria ainda mais perceptível nos seus...

‘Sons do Igarapé’: bonito curta entre o poético e o natural das relações amorosas

Os minutos iniciais de Sons do Igarapé já mostram a tônica do primeiro curta-metragem do ator Victor Kaleb: o zelo pelas imagens e enquadramentos. Isso é visível de ser observado, tanto no cuidado estético visual que é reforçado pela bela fotografia de...

‘Obeso Mórbido’: clima tenso marca interseções entre ficção e documentário

Frankie teardrop ressoa na profusão de imagens pixelizadas. A música lembra um rito ou suicídio – não por acaso, Suicide é o nome da banda que a executa. Já a baixa qualidade das telas – dos celulares, computadores – mostradas na tela – do cinema – lembram...