Oportunidade rara para quem deseja estudar cinema em Manaus: um laboratório para desenvolvimento de argumento de longas-metragens será promovido pela produtora Tamba-Tajá Criações. Iniciativa gratuita, o ‘Manaó Cinelab: Em busca da escrita perfeita’ terá 10 vagas, sendo metade delas para mulheres (cis e trans), indígenas, pretes ou LGBTQIA+. Com inscrições abertas até o dia 12 de agosto (clique aqui), o curso será online, através do Zoom, entre os dias 23 e 27 de agosto.

Os participantes terão suas histórias lidas, analisadas e comentadas pelos roteiristas Iana Cossoy Paro (“Três Verões“) e Fábio Baldo (co-diretor de “Antes o Tempo Não Acabava“), e iniciarão um processo mais aprofundado rumo a histórias densas, bem encadeadas e capazes de expressar toda a sua potência durante a escrita do roteiro cinematográfico. Contemplado pelo Edital-Prêmio de Conexões Culturais da Prefeitura de Manaus, o ‘Manaó Cinelab: Em busca da escrita perfeita’ terá curadoria de Flávia Abtibol (“Dom Kimura”) e Zeudi Souza (“O Buraco“).

“Acredito ser unânime entre os profissionais roteiristas e até entre o público leigo, que um bom roteiro costuma ser meio caminho andado para a realização de um bom filme. Mas o que nem todo mundo sabe é que o Argumento é o primeiro grande passo para a fluidez na escrita do roteiro, poupando muitas dores de cabeça e acelerando todo o processo”, diz Flávia Abtibol, coordenadora do Laboratório.

CONHEÇA OS FACILITADORES DO LABORATÓRIO

Iana Cossoy Paro – Atual Diretora da Cátedra de Roteiro da EICTV – Cuba. Roteirista e professora de roteiro, mestre em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA-USP. Formada em Cinema pela EICTV e em Relações Internacionais pela PUC-SP, com pós graduação em roteiro pela ESCAC-Barcelona. Assina com o diretor Marcelo Muller o longa “Eu te Levo” (2017). Roteirista do longa documentário “De Peito Aberto” (2018). Colaborou no roteiro de “As Duas Irenes” (2017), de Fabio Meira. Seu roteiro “Três Verões”, co-escrito com a diretora Sandra Kogut. Foi roteirista de diferentes curtas, entre eles Hoje tem Alegria (2010) e o Sonho de Tilden (2008). Dá aulas no Ateliê Bucareste, no Espaço Itaú e na EICTV. Participa como consultora no BrLab desde 2017. Foi consultora de roteiro no Panlab (Salvador) e Acampadoc (Panamá). É membro do Coletivo Vermelha.

Fábio Baldo – É diretor e roteirista dos curtas-metragens Caos (2010), Da Origem (2011), Geru (2014) e O Jardim Fantástico (2020), exibidos em mais de 150 festivais nacionais e internacionais. É um dos diretores do longa-metragem “Antes o Tempo Não Acabava” (2016), que teve sua estreia na sessão Panorama do 66º Festival Internacional de Cinema de Berlim. Trabalhou na pesquisa da série “Boca a Boca“, da Netflix, e também como curador e consultor de roteiros de longa-metragem no Laboratório Novas Histórias entre 2017 e 2019. Atualmente, desenvolve seu segundo projeto de longa-metragem “Doce Inferno na Galáxia”, projeto premiado no concurso de roteiros do FRAPA e ainda selecionado pelo Programa Ibermedia, para o Laboratório Novas Histórias, para o Fórum de Coprodução do Festival de San Sebastián e para o Fórum de Coprodução de Roma (MIA). O projeto é uma coprodução Brasil-França, e tem distribuição garantida pela Vitrine Filmes. Em 2015, a Cinemateca Francesa de Paris fez uma retrospectiva de seus filmes dentro da sessão Cinéma de Poche.

com apoio de informações de assessoria

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...