Oportunidade rara para quem deseja estudar cinema em Manaus: um laboratório para desenvolvimento de argumento de longas-metragens será promovido pela produtora Tamba-Tajá Criações. Iniciativa gratuita, o ‘Manaó Cinelab: Em busca da escrita perfeita’ terá 10 vagas, sendo metade delas para mulheres (cis e trans), indígenas, pretes ou LGBTQIA+. Com inscrições abertas até o dia 12 de agosto (clique aqui), o curso será online, através do Zoom, entre os dias 23 e 27 de agosto.

Os participantes terão suas histórias lidas, analisadas e comentadas pelos roteiristas Iana Cossoy Paro (“Três Verões“) e Fábio Baldo (co-diretor de “Antes o Tempo Não Acabava“), e iniciarão um processo mais aprofundado rumo a histórias densas, bem encadeadas e capazes de expressar toda a sua potência durante a escrita do roteiro cinematográfico. Contemplado pelo Edital-Prêmio de Conexões Culturais da Prefeitura de Manaus, o ‘Manaó Cinelab: Em busca da escrita perfeita’ terá curadoria de Flávia Abtibol (“Dom Kimura”) e Zeudi Souza (“O Buraco“).

“Acredito ser unânime entre os profissionais roteiristas e até entre o público leigo, que um bom roteiro costuma ser meio caminho andado para a realização de um bom filme. Mas o que nem todo mundo sabe é que o Argumento é o primeiro grande passo para a fluidez na escrita do roteiro, poupando muitas dores de cabeça e acelerando todo o processo”, diz Flávia Abtibol, coordenadora do Laboratório.

CONHEÇA OS FACILITADORES DO LABORATÓRIO

Iana Cossoy Paro – Atual Diretora da Cátedra de Roteiro da EICTV – Cuba. Roteirista e professora de roteiro, mestre em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA-USP. Formada em Cinema pela EICTV e em Relações Internacionais pela PUC-SP, com pós graduação em roteiro pela ESCAC-Barcelona. Assina com o diretor Marcelo Muller o longa “Eu te Levo” (2017). Roteirista do longa documentário “De Peito Aberto” (2018). Colaborou no roteiro de “As Duas Irenes” (2017), de Fabio Meira. Seu roteiro “Três Verões”, co-escrito com a diretora Sandra Kogut. Foi roteirista de diferentes curtas, entre eles Hoje tem Alegria (2010) e o Sonho de Tilden (2008). Dá aulas no Ateliê Bucareste, no Espaço Itaú e na EICTV. Participa como consultora no BrLab desde 2017. Foi consultora de roteiro no Panlab (Salvador) e Acampadoc (Panamá). É membro do Coletivo Vermelha.

Fábio Baldo – É diretor e roteirista dos curtas-metragens Caos (2010), Da Origem (2011), Geru (2014) e O Jardim Fantástico (2020), exibidos em mais de 150 festivais nacionais e internacionais. É um dos diretores do longa-metragem “Antes o Tempo Não Acabava” (2016), que teve sua estreia na sessão Panorama do 66º Festival Internacional de Cinema de Berlim. Trabalhou na pesquisa da série “Boca a Boca“, da Netflix, e também como curador e consultor de roteiros de longa-metragem no Laboratório Novas Histórias entre 2017 e 2019. Atualmente, desenvolve seu segundo projeto de longa-metragem “Doce Inferno na Galáxia”, projeto premiado no concurso de roteiros do FRAPA e ainda selecionado pelo Programa Ibermedia, para o Laboratório Novas Histórias, para o Fórum de Coprodução do Festival de San Sebastián e para o Fórum de Coprodução de Roma (MIA). O projeto é uma coprodução Brasil-França, e tem distribuição garantida pela Vitrine Filmes. Em 2015, a Cinemateca Francesa de Paris fez uma retrospectiva de seus filmes dentro da sessão Cinéma de Poche.

com apoio de informações de assessoria

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...