“Ema”, novo filme de Pablo Larraín (“Jackie”) exibido no Festival de Londres, começa em chamas – uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro – o drama histórico -, o chileno entrega um estudo de personagem moderno e cheio de tensão centrado em uma atuação poderosa de Mariana di Girolamo.

Ela interpreta a personagem-título, dançarina cujo casamento com o coreógrafo Gastón (Gael García Bernal) passa por uma crise profunda desde a adoção malsucedida do órfão Polo. Sem nada que lhe sirva de base, ela inicia uma revolução só para conseguir se reaproximar do menino – custe o que custar. A mesma trama poderia servir de base a um filme estilo Supercine, mas Larraín se recusa a apresentar respostas fáceis e o resultado é um filme avant-garde tanto na forma quanto no conteúdo.

Em uma entrevista recente, o cineasta mencionou a existência de um primeiro corte que seu círculo próximo achou incompreensível, depois do qual ele criou a atual versão do longa, organizada em três atos. Enquanto esses atos são perceptíveis, “Ema” se desenrola largamente como um fluxo de consciência, com as cores sensacionais captadas pelo diretor de fotografia Sergio Armstrong dando ares de delírio a toda a ação.

LIBERDADE A QUALQUER CUSTO

 

No mosaico criado pelo filme, o universo da dança, as paisagens da cidade litorânea Valparaíso e a trilha enérgica – composta por Nicolas Jaar, conterrâneo do diretor – refletem e amplificam o desejo incontrolável da protagonista por liberdade. O roteiro, escrito por Larraín juntamente com Guillermo Calderón e Alejandro Moreno, não se exime de ancorar a história a uma personagem instável e difícil de causar empatia.

O paradoxo de Ema é que ela almeja ser livre quase com a mesma intensidade que deseja ser mãe – e nem sempre esses dois objetivos são compatíveis. Muito de sua verve materna vem com uma vontade de transcender sua turbulência emocional. Sua incapacidade em lidar com o escopo da vida é refletida em sua piromania, a qual ela acaba tragicamente ensinando ao seu então filho adotivo. Como na saga literária infanto-juvenil “Desventuras em Série“, para Ema, o fogo é uma forma de fuga que oblitera o passado.

Diante da infertilidade de Gastón e de um processo de adoção que termina em trauma, ela se vê desesperada e tomando atitudes cada vez mais egoístas e maquiavélicas para conseguir o que quer, sem nenhum tipo de remorso. É evidente que, fora do circuito de festivais, “Ema” terá mais facilidade de cair nas graças do público que embarcar emocionalmente nessas atitudes. Com coragem, Larraín entrega uma de suas melhores obras: um filme tão indomável e indefinível como sua protagonista.

‘Delia Derbyshire: The Myths and Legendary Tapes’, o retrato multifacetado de uma viajante do tempo

https://www.youtube.com/watch?v=CM8uBGANASc O tradicional seriado “Doctor Who” completou 57 anos em novembro de 2020. A música-tema - um dos primeiros inteiramente eletrônicos criados para a televisão - entrou para os anais da ficção científica e, ainda que diversos...

‘David Byrne’s American Utopia’, a sequência espiritual de ‘Stop Making Sense’

Em certo ponto de "David Byrne's American Utopia", filme que registra o recente show que Byrne apresentou na Broadway, o músico faz questão de lembrar o público do Teatro Hudson, em Nova York, de que tudo o que eles estão ouvindo é gerado ao vivo. Ele admite não ter...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...

‘Another Round’: Mads Mikkelsen arrasador em comédia ácida

Se você queria ver Mads Mikkelsen bebendo até cair e mostrando um certeiro timing cômico, você acaba de achar seu filme do ano. "Another Round", longa de Thomas Vinterberg que estreou em Toronto e foi exibido no Festival de Londres deste ano, reúne o cineasta com o...

‘Fábulas Ruins’: conto italiano totalmente perdido

Era uma vez, nos subúrbios de Roma, crianças que tentaram sobreviver às férias de verão a despeito de seus pais e responsáveis. Esse é o mote de "Fábulas Ruins", drama italiano que estreou na Berlinale - onde ganhou o prêmio de melhor roteiro - e foi exibido no...

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...