Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta a jogar todos os holofotes na sua principal protagonista: a cidade de Manaus. 

Com poucos diálogos, “Gota d´água”, o décimo-segundo capítulo de “Boto”, é, de longe, o mais sofrido dos episódios. Alex já dá a deixa do tom com um poema sobre angústias cada vez mais insustentáveis e perturbadoras. Os segredos da caixa dele vêm à tona e o que já se desenhara sobre o verdadeiro trauma da infância apenas se confirma, deixando implícito o subtexto sobre a lenda do boto acabar por esconder abusos sexuais cometidos Amazônia adentro.  

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: O Protagonismo da Enigmática Manaus

Aqui, cabe ressaltar o desempenho absurdo de Renan Tenca que, mesmo sem precisa falar nada, externa todo desespero e a necessidade de libertação de Alex, como apresentado na bela abertura repleta de simbolismos do último episódio, “Oroboto”. Chega a ser interessante até como ele acaba por puxar os apagados personagens de Daniela Blois e Ítalo Almeida que, finalmente, ganham um pouquinho de relevância nos rumos da trama e ainda rendem um clipe para ‘Bebé’, música para lá de conhecida do repertório da Alaídenegão. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 4 e 5: Ou Pode Chamar de ‘Aquela Estrada 2’

Por outro lado, Valdomiro (Lucas Wickhaus), responsável por carregar o interesse na trama de “Boto” durante boa parte da série, acaba por perder espaço. Apesar de ser sempre bom vê-lo nos shows como Val dos Prazeres acompanhado pelas dancinhas de Jonas (Eric Lima) e do embromation de Antônia (Thaís Vasconcelos, daria para fazer uma série só dela), o personagem fica em segundo plano, como se já tivesse atingido o auge de sua jornada nos capítulos anteriores, principalmente, se compararmos com Alex. O desfecho da história dele com Betina (Dinne Queiroz) segue uma linha previsível, deixando a sensação de que ela sai de cena com o potencial de que poderia ter sido maior. 

MANAUS enigmática, imprevisível e incerta 

Como dissera na crítica dos três primeiros episódios, a real protagonista de “Boto” é Manaus. Se esteve em segundo plano durante a reta final da temporada, os dois capítulos finais devolvem à capital amazonense seu espaço. Em “Gota d´água”, somos brindados com um delicado passeio entre a cidade que pulsa com velocidade, ao mesmo tempo, que divide lugar com uma singeleza das pessoas humildes sentadas em uma praça ou vendendo mungunzá em sua bicicleta. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 6 e 7: Série Cresce Independente de Obstáculos

O auge deste olhar sobre Manaus aparece em “Oroboto” com o poema declamado por Zemaria Pinto. Diferente do caminho mais fácil de exaltação do olhar turístico e propagandista, o trecho, deliciosamente repleto de ironia, analisa o contraste de uma cidade viva, colorida, intensa com todas as suas contradições, autoritarismos escondidos e, como diz o poeta, ‘mediocridades diárias’. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 8 e 9: Sobra Tempo e Falta História

Este olhar não complacente em que, ao mesmo tempo, analisa, disseca e se insere, é que faz de “Boto” fascinante nesta construção identitária audiovisual de Manaus, algo longe de um ponto final e que somente uma política de regionalização forte permite elaborar, ao dar autonomia aos artistas locais em contar histórias ficcionais e documentais de suas regiões com seus pontos de vistas, longe de exotismos e idealizações pré-concebidas.  

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 10 e 11: Afetos, Traumas e Intolerância

No término dos 13 episódios, temos uma série de altos e baixos, com momentos inspirados e outros de profundo tédio, reflexo, talvez, desta Manaus ainda tão enigmática, imprevisível e incerta. “Boto”, entretanto, igual a cidade, possui um charme inebriante. 

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...