Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta a jogar todos os holofotes na sua principal protagonista: a cidade de Manaus. 

Com poucos diálogos, “Gota d´água”, o décimo-segundo capítulo de “Boto”, é, de longe, o mais sofrido dos episódios. Alex já dá a deixa do tom com um poema sobre angústias cada vez mais insustentáveis e perturbadoras. Os segredos da caixa dele vêm à tona e o que já se desenhara sobre o verdadeiro trauma da infância apenas se confirma, deixando implícito o subtexto sobre a lenda do boto acabar por esconder abusos sexuais cometidos Amazônia adentro.  

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: O Protagonismo da Enigmática Manaus

Aqui, cabe ressaltar o desempenho absurdo de Renan Tenca que, mesmo sem precisa falar nada, externa todo desespero e a necessidade de libertação de Alex, como apresentado na bela abertura repleta de simbolismos do último episódio, “Oroboto”. Chega a ser interessante até como ele acaba por puxar os apagados personagens de Daniela Blois e Ítalo Almeida que, finalmente, ganham um pouquinho de relevância nos rumos da trama e ainda rendem um clipe para ‘Bebé’, música para lá de conhecida do repertório da Alaídenegão. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 4 e 5: Ou Pode Chamar de ‘Aquela Estrada 2’

Por outro lado, Valdomiro (Lucas Wickhaus), responsável por carregar o interesse na trama de “Boto” durante boa parte da série, acaba por perder espaço. Apesar de ser sempre bom vê-lo nos shows como Val dos Prazeres acompanhado pelas dancinhas de Jonas (Eric Lima) e do embromation de Antônia (Thaís Vasconcelos, daria para fazer uma série só dela), o personagem fica em segundo plano, como se já tivesse atingido o auge de sua jornada nos capítulos anteriores, principalmente, se compararmos com Alex. O desfecho da história dele com Betina (Dinne Queiroz) segue uma linha previsível, deixando a sensação de que ela sai de cena com o potencial de que poderia ter sido maior. 

MANAUS enigmática, imprevisível e incerta 

Como dissera na crítica dos três primeiros episódios, a real protagonista de “Boto” é Manaus. Se esteve em segundo plano durante a reta final da temporada, os dois capítulos finais devolvem à capital amazonense seu espaço. Em “Gota d´água”, somos brindados com um delicado passeio entre a cidade que pulsa com velocidade, ao mesmo tempo, que divide lugar com uma singeleza das pessoas humildes sentadas em uma praça ou vendendo mungunzá em sua bicicleta. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 6 e 7: Série Cresce Independente de Obstáculos

O auge deste olhar sobre Manaus aparece em “Oroboto” com o poema declamado por Zemaria Pinto. Diferente do caminho mais fácil de exaltação do olhar turístico e propagandista, o trecho, deliciosamente repleto de ironia, analisa o contraste de uma cidade viva, colorida, intensa com todas as suas contradições, autoritarismos escondidos e, como diz o poeta, ‘mediocridades diárias’. 

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 8 e 9: Sobra Tempo e Falta História

Este olhar não complacente em que, ao mesmo tempo, analisa, disseca e se insere, é que faz de “Boto” fascinante nesta construção identitária audiovisual de Manaus, algo longe de um ponto final e que somente uma política de regionalização forte permite elaborar, ao dar autonomia aos artistas locais em contar histórias ficcionais e documentais de suas regiões com seus pontos de vistas, longe de exotismos e idealizações pré-concebidas.  

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 10 e 11: Afetos, Traumas e Intolerância

No término dos 13 episódios, temos uma série de altos e baixos, com momentos inspirados e outros de profundo tédio, reflexo, talvez, desta Manaus ainda tão enigmática, imprevisível e incerta. “Boto”, entretanto, igual a cidade, possui um charme inebriante. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...