O Chadwick Boseman nos deixou de forma precoce aos 43 anos, vítima de câncer de cólon. O ator ficou conhecido mundialmente ao viver o “Pantera Negra” nos cinemas.  

O personagem seria grande por si só, afinal, faz parte do bilionário e influente Universo Marvel. Mas, “Pantera Negra”, marcado pela figura imponente e equilibrada do Boseman, foi muito mais como provam as cenas do impacto cultural do filme em crianças e adolescentes pretos conseguindo se ver e se sentirem representados na tela pela primeira vez em uma produção de HQ. 

“Pantera Negra” demonstrou, para quem ainda tinha qualquer tipo de dúvida ou de preconceito absurdo, que filmes dirigidos e protagonizados por pretos podem ser tão lucrativos quanto qualquer filme estrelado por um ator, atriz ou comandado por cineasta branco. Arrecadou US$ 1,3 bilhão de dólares no mundo inteiro.  

Isso para não falar de qualidade, afinal, conseguiu ser o primeiro longa da Marvel indicado ao Oscar de Melhor Filme, algo muito longe de ser alcançado por Homem de Ferro, Homem-Aranha ou Capitão América. 

É justamente nesta visibilidade para artistas pretos que deve residir a maior homenagem ao Chadwick Boseman, um cara que nunca se eximiu de posicionamentos políticos e relativos às questões raciais nos EUA e no mundo. Assistir a obras de diretores e diretoras pretos é homenagear o Boseman. Assistir obras estreladas por atores e atrizes pretas é homenagear o Boseman. Apoiar movimentos que pedem a maior participação de pretos e pretas nas áreas técnicas é homenagear o Boseman. 

Como o canal do Cine Set no YouTube se dedica ao Oscar, eu trago agora como a maior premiação do cinema americano ainda está bem, bem longe desse objetivo de valorizar o artista preto. 

MELHOR FILME 

Apenas dois filmes dirigidos por pretos venceram o Oscar: 12 Anos de Escravidão”, do Steve McQueen, saiu vencedor em 2014, enquanto “Moonlight”, de Barry Jenkins, superou “La La Land” em 2017. 

A temática racial também esteve presente em outros ganhadores de Melhor Filme: foram os casos de “No Calor da Noite”, de 1968, “Conduzindo Miss Daisy”, em 1990, “Crash – No Limite”, em 2006, e “Green Book”, em 2019. 

Destes quatro, “Crash” é uma bagunça só querendo colocar diversos tipos de preconceitos como se fosse tudo uma coisa igual, enquanto “Miss Daisy” e “Green Book” observam o racismo do ponto de vista do branco e sua transformação em vez de colocar o foco no preto. 

MELHOR DIREÇÃO 

Em 92 edições, nunca um diretor preto saiu vencedor do Oscar. A primeira indicação, aliás, só veio em 1991 quando o John Singleton foi nomeado por “Os Reis da Rua”. 

As demais indicações aconteceram apenas nos anos 2010 com o Lee Daniels, por “Preciosa”, Steven McQueen, de “12 Anos de Escravidão”, Barry Jenkins, por “Moonlight”, Jordan Peele, por “Corra”, e o Spike Lee, de “Infiltrado na Klan”. 

Dois detalhes importantes: o maior diretor preto do EUA, o Spike Lee, foi esnobado tanto em Melhor Filme quanto em Direção pelo clássico “Faça a Coisa Certa”. Segundo: até agora, nenhuma mulher preta foi nomeada na categoria. 

MELHOR ATOR 

A primeira indicação de um ator preto em Melhor Ator veio após 31 edições com o Noah Cullen, de “Acorrentados”. Mas, apenas quatro dos 93 atores ganhadores do Oscar de Melhor Ator eram negros: 

A primeira vez aconteceu com o Sidney Poitier, por “Uma Voz nas Sombras”, em 1964.

Somente 38 anos depois veio a segunda estatueta, agora, para o Denzel Washington, por “Um Dia de Treinamento”. Os anos 2000 ainda viram Jamie Foxx, de “Ray”, e Forest Whitaker, por “O Último Rei da Escócia”, saírem premiados. 

MELHOR ATRIZ 

De todas as categorias, a pior de todas, sem dúvida, é Melhor Atriz. 

A Dorothy Dandridge, por “Carmen Jones”, foi a primeira indicada na categoria em 1955. Porém, somente em 2002, a Halle Berry, de “A Última Ceia”, conseguiu vencer o prêmio. E foi só até hoje.  

Para quem minimiza ou se incomoda com movimentos como o #OscarsoWhite, um pequeno dado: durante todo o século XX em 71 edições do Oscar, apenas seis mulheres pretas foram indicadas a Melhor Atriz. O século XXI com apenas 20 edições já igualou o mesmo número. 

MELHOR ATOR COADJUVANTE 

Seis dos 84 vencedores do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante eram pretos. Mas, essas vitórias só começaram nos anos 1980. 

O pioneiro foi o Louis Gossett Jr., de “A Força do Destino”, em 1982. Depois, vieram o Denzel Washington, por “Tempos de Glória”, em 1990, o Cuba Gooding Jr, de “Jerry Maguire”, em 1997, Morgan Freeman, por “Menina de Ouro” em 2005, e a vitória em dose dupla do Mahershala Ali, por “Moonlight“, em 2017, e “Green Book”, em 2019. 

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE 

Se na categoria, as mulheres pretas encontram dificuldades, pelo menos, em Atriz Coadjuvante, os números são melhores. Foram oito vitórias, a maioria no século XXI. 

Hattie McDaniel foi a primeira preta a vencer um Oscar na história pelo polêmico e racista “E o Vento Levou”, em 1940. Cinquenta anos depois, a Whoopi Goldberg foi premiada por “Ghost”. Em 2007, deu Jennifer Hudson estreando nos cinemas em “Dreamgirls”. Nos anos 2010, as atrizes pretas dominaram: Mo´nique, por “Preciosa”, em 2010, Octavia Spencer, de “Histórias Cruzadas”, em 2012, Lupita Nyong´o, de “12 Anos de Escravidão”, em 2014, Viola Davis, por “Um Limite Entre Nós”, em 2017, e Regina King, de “Se a Rua Beale Falasse”, em 2019. 

Vale lembrar todo o constrangimento que passou a Hattie McDaniel na cerimônia de 1940 em que não pode nem sentar na mesa dos colegas de “E o Vento Levou”.  Por fim, curioso a mulher preta ter maior destaque em atriz coadjuvante do que em atriz principal, o que simboliza muitas das narrativas predominantes no cinema que colocam a mulher preta sempre em segundo plano. 

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO E ORIGINAL  

Em Roteiro Adaptado, apenas dois roteiristas pretos foram indicados no século XX. Esse número mais do que quadruplicou nos últimos 11 anos. 

A primeira vitória veio em 2009 com o Geoffrey S. Fletcher, de “Preciosa”, em 2009. Depois vieram mais três conquistas com o John Ridley de “12 Anos de Escravidão”, o Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney de “Moonlight”, e o Kevin Wilmott e Spike Lee, por “Infiltrado na Klan”. 

Já em Roteiro Original, foram apenas quatro indicados, sendo a primeira a Suzanne de Passe, de “O Ocaso de uma Estrela”. Mas, só um deles venceu. 

Aconteceu em 2018 com o Jordan Peele, de “Corra”. 

DEMAIS CATEGORIAS 

A representatividade preta no Oscar segue ainda baixa em categorias técnicas, refletindo o pouco espaço deles por trás das câmeras. 

Em toda história do prêmio, foram apenas dois indicados pretos ou pretas tanto em Direção de Fotografia quanto Montagem. Em Direção de Arte, a única indicação rendeu a vitória da Hannah Beachler, por “Pantera Negra”.

No Oscar de Melhor de Animação, somente o Peter Ramsey ganhou a estatueta por Aranhaverso, enquanto em Documentário foram duas vitórias: a primeira veio com “Undefeated”, em 2012, e “OJ Made in America”, em 2017.

Trilha Sonora teve dois pretos premiados, incluindo o Prince por “Purple Rain”, enquanto Canção Original foram quatro conquistas, incluindo, um Oscar para o Stevie Wonder. 

E O BRASIL? 

A baixa presença de pretos e pretas nas premiações não se restringe ao Oscar. O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro mostrou uma completa miopia nas indicações ao evento revelada na última semana. 

Apesar da nomeação do excelente “Simonal” e de Fabrício Boliveira em Melhor Ator entre os filmes de ficção, o prêmio deixou de fora “Temporada”, drama elogiadíssimo comandado pelo principal cineasta brasileiro preto em atividade, o André Novais de Oliveira, e a excepcional Gracê Passô, em uma atuação inesquecível. 

Dos 20 atores indicados em categorias de atuação no GP do Cinema Brasileiro, apenas três são pretos ou pretas. 

10 DICAS DE FILMES DE CINEASTAS PRETOS

  • A 13ª Emenda, de Ava DuVernay (EUA – disponível na Netflix)
  • Atlantique“, de Mati Diop (Senegal – disponível na Netflix)
  • “Faça a Coisa Certa”, de Spike Lee (EUA – disponível no Telecine Play)
  • “Fruitvale Station”, de Ryan Coogler (EUA – disponível na Amazon Prime)
  • “Harriet”, de Kasi Lemmons (EUA – disponível no NOW)
  • “Mudbound”, de Dee Rees (EUA – disponível no NOW)
  • “Moonlight”, de Barry Jenkins (EUA – disponível na Netlflix)
  • “Negrum 3”, de Diego Paulino (Brasil – disponível no Canal Brasil)
  • “Nós”, de Jordan Peele (EUA – disponível no Telecine Play)
  • “Temporada”, de André Novais Oliveira (Brasil – disponível na Netflix)

Oscar: TOP 10 Maiores Momentos da Década 2010

De Leonardo DiCaprio a Lady Gaga, Caio Pimenta apresenta uma lista com os 10 momentos mais marcantes do Oscar na década de 2010.  https://www.youtube.com/watch?v=HZm_rdBu7d8 10. RUTH E. CARTER E HANNAH BEACHLER  https://www.youtube.com/watch?v=bw_n6O0d46k...

Oscar 2021: Qual filme tem mais chance de surpreender “Nomadland”?

Grandes rivalidades marcaram muitos anos do Oscar.  Quem não lembra dos duelos de “E o Vento Levou” e “O Mágico de Oz” ou “A Malvada” versus “Crepúsculo dos Deuses”, “A Noviça Rebelde” contra “Doutor Jivago”, “O Poderoso Chefão” versus “Cabaret”, “Kramer Vs Kramer”...

SAG 2021: ‘Os Sete de Chicago’ vence Melhor Elenco e ganha força para o Oscar

Apesar de uma lista repleta de diversidades, o SAG 2021 de Melhor Elenco foi para uma produção de maioria branca com “Os Sete de Chicago”. https://www.youtube.com/watch?v=dh-sPpPXQ0E O filme traz gigantes como Michael Keaton, Eddie Redmayne, Sacha Baron Cohen,...

SAG 2021: Viola Davis mostra força e vence em Melhor Atriz

Até tentaram tirar o protagonismo do filme dela, mas, Viola Davis é tão forte que cá está conquistando o prêmio de Melhor Atriz do SAG 2021 por "A Voz Suprema do Blues". Este é o segundo prêmio da estrela no evento: a primeira aconteceu em 2012 com “Histórias...

SAG 2021: Chadwick Boseman segue imbatível e vence Melhor Ator

A maior barbada do SAG 2021 se confirmou: Chadwick Boseman leva o prêmio de Melhor Ator por “A Voz Suprema do Blues”. Este é o primeiro troféu póstumo da categoria. https://www.youtube.com/watch?v=lyWyv6fYmQ8 Vale lembrar que o Chadwick já venceu o Globo de Ouro e o...

SAG 2021: destaque de ‘Minari’, Yun-Jung Youn vence Melhor Atriz Coadjuvante

Yun-Jung Youn. Vencedora de Melhor Atriz Coadjuvante por “Minari”, ela é a primeira mulher vencedora de um SAG no cinema por um filme não falado em inglês. Entre os homens, o feito ficou por conta do Roberto Benigni, em 1999, por “A Vida é Bela”. ...

SAG 2021: Daniel Kaluuya mantém domínio e vence Melhor Ator Coadjuvante

Depois de levar o Globo de Ouro e o Critics Choice Awards, chegou a hora de Daniel Kaluuya conquistar o SAG 2021. Ele venceu Melhor Ator Coadjuvante por “Judas e o Messias Negro”.  https://www.youtube.com/watch?v=zgKyo_vtBWw Dividindo o protagonismo com...

Oscar 2021: As Cinco Categorias Mais Disputadas da Temporada

Caio Pimenta analisa quais são as cinco categorias mais indefinidas da disputa pelo Oscar 2021 e as possibilidades dos indicados.  https://www.youtube.com/watch?v=moG6OZ3IQ4Q CANÇÃO ORIGINAL  A categoria traz “Speak Now”, de “Uma Noite em Miami”, “Fight for You”, de...

Oscar 2021: Os Impactos do PGA e WGA na Premiação

Caio Pimenta analisa os resultados do PGA e WGA, respectivamente, os prêmios dos sindicatos dos Produtores e Roteiristas para o Oscar 2021.  https://www.youtube.com/watch?v=yqpRA9sLo3E SINDICATO DOS PRODUTORES O PGA Awards, prêmio do Sindicato dos Produtores dos EUA,...

Oscar 2021: Safra de filmes indicados fraca ou subestimada?

Caio Pimenta compara a atual safra dos indicados ao Oscar de Melhor Filme com as seleções dos últimos 50 anos.  https://www.youtube.com/watch?v=Qrfwimq5IUU OS FILMES DO OSCAR 2021  Dos oito filmes indicados à categoria máxima, para mim, o melhor de todos disparado é...